Projetos sem carbono em 10 cidades recebem 4,5 ME e estarão prontos em ano e meio


Os projetos para encontrar soluções de descarbonização, que decorrem em 10 cidades, deverão estar concretizados dentro de ano e meio, aplicando um financiamento total de 4,5 milhões de euros, disse hoje o ministro do Ambiente.

“Foi um milhão [para a primeira fase de seleção e elaboração das propostas] e agora mais 4,5 milhões de euros” para construir, em cada uma destas 10 cidades, “projetos concretos que sejam úteis para quem vive e quem visita estes espaços, mas que sejam sobretudo demonstrativos de boas práticas”, referiu João Matos Fernandes.

O governante afirmou não ter dúvidas de que “daqui a um ano, um ano e meio” estarão concretizados 10 projetos que “são bons para cada uma destas cidades, para o país, e, nas redes em que estão inseridos, podem até ser exemplos fora de fronteiras”.

Na segunda fase do processo, desenvolvido pelo Fundo Ambiental, estiveram 12 cidades, acabando por ser selecionadas 10: Águeda, Alenquer, Almada, Braga, Évora, Loulé, Mafra, Maia, Matosinhos e Seixal.

Depois desta experiência, já está em preparação o financiamento para o mesmo objetivo – soluções urbanas de descarbonização – para cidades com mais de 200 mil habitantes, através do fundo EEA Grants.

Segundo o ministro, o financiamento do EEA Grants está quase todo preparado, estando previsto “um valor à volta de cinco milhões de euros para desenvolver projetos nas maiores cidades”, disse o ministro.

De acordo com João Matos Fernandes, a principal diferença desses projetos em relação aos que estão atualmente a ser desenvolvidos é “a ambição, por serem em cidades maiores”.

Um Laboratório Vivo para a Descarbonização deve ser um espaço urbano que assume a função de demonstração das soluções inovadoras para um ambiente de baixo carbono, numa lógica de interação entre municípios, centros de conhecimento, empresas, indústrias e cidadãos.

João Matos Fernandes realçou que os projetos são muito diferentes entre si, iniciados numa escala local, e “em nenhum deles as autarquias estão sozinhas, têm sempre universidades, centros de saber e empresas que se associaram para construir, concretizar, materializar muito boas ideias”.

Os projetos apresentam, por exemplo, soluções de eficiência material e energética, de desenvolvimento de novas formas de transporte público ou de logística urbana, “uma área em que as cidades podem progredir bastante”, defendeu.

As propostas para retirar carbono da atmosfera, um dos objetivos do Acordo de Paris contra as alterações climáticas, podem abranger um edifício ou, como no caso de Almada, contemplar uma rua.

O projeto de Almada apresenta com soluções de logística, de circulação e de eficiência energética, com condições próprias de sustentabilidade ambiental, além de associar uma moeda local que será recebida em troca de resíduos separados.