Governo tem valorizado a profissão de docente


“É para o Grupo Parlamentar do PS indiscutível que a consolidação de uma escola onde todos tenham sucesso depende, nomeadamente, de professores profissionalmente reconhecidos e socialmente valorizados”, garantiu hoje, no Parlamento, a deputada socialista Maria Augusta Santos.

Durante o debate sobre o projeto de resolução do Bloco de Esquerda para a revalorização da carreira docente e sobre a petição que solicita o reposicionamento dos professores na carreira, de acordo com o Estatuto da Carreira Docente, a deputada do PS lembrou que o Governo “tem implementado diversas medidas de combate à precariedade docente e, também, de inequívoca valorização da profissão de professor”.

“O que o Governo não tem, o que ninguém tem, é uma máquina do tempo que nos permita viajar para o passado”, ironizou Maria Augusta Santos, explicando que é necessário “aprofundar o caminho que já fizemos e construir um futuro melhor para todos os que fazem da escola pública uma grande realização do Portugal democrático”.

A socialista alertou o Bloco de Esquerda que o seu projeto recomenda ao Executivo “várias linhas de ação, incluindo em matérias nas quais o Governo já está a trabalhar”.
Por isso, “importa continuar na linha de construção progressiva e dialogada das soluções para garantir a estabilidade na mudança”, defendeu.

Maria Augusta Santos disse que a implementação incremental é o método mais adequado para avançar de forma segura e, para isso, o Grupo Parlamentar do PS não é favorável “a uma mão cheia de recomendações avulsas”.

Para a parlamentar, quem exerce um trabalho efetivo nas escolas compreende bem que não é aconselhável nem prudente “fazer alterações ao seu funcionamento coletivo de forma fracionada e desarticulada. Essa será a fórmula do insucesso”.

“A mudança segura precisa, por vezes, de paciência e concertação”, assegurou.